sexta-feira, 20 de novembro de 2009

PORQUE PASSAMOS PELO DESERTO?

O deserto tem muitas faces: solidão, aridez, desconforto, esterilidade. Todas as vezes que nos vemos em volta de tais realidades é porque inexoravelmente estamos atravessando um deserto. Necessariamente, não precisa ser um Saara, ou um Arizona. Pode ser uma doença inflexível, um problema familiar insolúvel ou uma angustia implacável da perda de um ente querido. Não importa! Seja literal ou não, geográfico ou conjuntural, físico ou psicológico, o fato é que desertos têm sempre a mesma fisionomia: são secos, solitários e terrivelmente deprimentes. São capazes de gerar em nós a pior das sensações: a solidão.
 
Mas por que passamos por Desertos? Qual o motivo que nos leva vez por outra a passarmos pela experiência dura dos desertos da vida? Por mais que tais realidades sejam subproduzidas por conjunturas criadas pelo próprio homem e suas próprias decisões, a Palavra de Deus nos diz que o deserto (seu e meu), com todas as suas proposituras de dor, sempre é uma escola de Deus.
 
Quando o curso de nossa vida toma esse aspecto calcinatório e desolado dos ermos é porque Deus está querendo nos ensinar algumas lições importantes, as quais não germinam na topografia da alegria, da bonança e da prosperidade. Só os desertos oferecem “fertilidade” para tais verdades abrolharem em nossas vidas. O texto que lemos nos dá três grandes lições que aprendemos nessa dura, terrível, mas necessária escola de Deus.
 
1. No deserto nós aprendemos a ouvir a voz de Deus. É interessante o fato da palavra deserto, no hebraico ‘midbar’, vir da mesma raiz da palavra ‘dabhar’ – falar. Isto se deve intrinsecamente ao fato de que o deserto é um lugar onde Deus fala e nós nos dispomos a ouvir. Onde Ele nos comunica as Suas mais importantes mensagens, e nós damos ouvidos à sua voz. Passamos a vida inteira em nosso gáudio sem ouvir (ou dar ouvidos) à Sua voz, mas o deserto corrige isso: é o megafone de Deus, a dizer tudo aquilo que sempre relutamos ouvir, e a nos comunicar tudo aquilo que sempre prescindimos saber. Neste lugar solitário, só a voz de Deus é maior do que a voz da solidão, da dor. Se não fosse essa experiência do deserto pela qual passamos poderíamos viver a vida inteira sem ouvir ou conhecer o que Deus tanto deseja nos ensinar – e que só é possível trazendo-nos a essa angustiante escola de sofrimento.
 
2. No deserto nós aprendemos ser humildes. O verso 2 diz que Deus levou Seu povo ao deserto para fazê-los humildes (melhor tradução). Isto para ensinar-lhes a dura lição da humildade. Porque o deserto não é só um lugar de condições precárias para a sobrevivência, é também um lugar de obscuridade. Nos desertos nós temos que aprender a conviver com a dura realidade da solidão. Fomos sacados da fama e abandonados no meio do solitário anonimato. Como Moisés (tirado do palácio e levado ao deserto), deixamos de ser importantes, e temos que conviver com a dura realidade da obscuridade. Deixamos de ser “a bola da vez”, o “cara in”, a referência. Essas coisas deixam de ser importantes no deserto: lá é uma lixa de Deus que remove essa espessa e dura camada de orgulho com a qual nos vestimos nos momentos de prosperidade. Que dura lição essa que os desertos nos ensinam, mas necessária. Eles nos ensinam que não precisamos dos “tapinhas nas costas”, dos aplausos, dos holofotes da glória humana. Precisamos apenas de Deus.
 
3. No deserto nós aprendemos a lição do autoconhecimento. O deserto revela quem nós somos. O verso nos revela esse terceiro propósito: “... para saber o que estava no teu coração...”. Na verdade, não há nada como um deserto para nos ajudar a conhecer o nosso próprio eu. Foi o deserto que revelou o coração maldizente e incrédulo do povo que saiu do Egito. Quando as crises chegaram, eles revelaram quem realmente eram. Todos os bonitos e falsos trajes da aparência foram removidos, dando lugar à verdadeira face do seu coração e do seu caráter. Quando estamos atravessando um deserto, é porque há uma face oculta do nosso ser que precisa ser conhecida e tratada na presença do Senhor.
 
Não obstante todas as múltiplas faces aterrorizantes que os desertos tenham, todos eles cumprem esse propósito pedagógico em nossas almas. Deus jamais nos põe na fornalha ardente do deserto para nos destruir. Ele apenas nos refina. Nos torna melhores. Pensemos nisso.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

O SONHO DA TRANSFORMAÇÃO

Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês', diz o SENHOR, 'planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro. – Jeremias 29.11

Durante algumas semanas estarei publicando aqui a série os sonhos de Deus para você.
Esta série vai nos ajudar a viver uma vida mais abundante da presença e das bênçãos de Deus.
São dez semana para pensarmos em como a transformação, a espiritualidade, a celebração, o equilíbrio, a comunicação, a vocação, a libertação, a direção, a revelação e a superação podem fazer parte de nossas vidas.
Vamos ao primeiro texto.

O SONHO DA TRANSFORMAÇÃO
Freqüentemente eu sinto que a minha vida não é como deveria ser
- Eu me preocupo muito com que as outras pessoas pensam de mim, inclusive pessoas que eu nem conheço direito;
- Eu deveria ser um marido melhor;
- Eu deveria ser um pai melhor,
- Eu deveria ser um funcionário melhor,
- Eu deveria ser um patrão melhor,
- Eu deveria ser um cidadão melhor,
- Eu deveria ser uma pessoa melhor,
- Eu não consigo viver uma vida tão saudável quanto gostaria,
- Eu não realizei todos os meus sonhos,
- Eu me acho feio,
- Eu me sinto desajeitado,
- Eu me sinto inferior,
- Quando eu tento falar com Deus, minha mente divaga e eu tenho dificuldade de orar,
- Ler a Bíblia muitas vezes é um esforço tão grande
- Eu não tenho disciplina
- Eu tento, mas não consigo...

TEXTO “NÃO É ENGRAÇADO?”
• Não é engraçado como R$ 10,00 parece tanto quando o levamos à igreja e tão pouco quando vamos ao shopping?
• Não é engraçado como uma hora é tão longa quando servimos a Deus, mas tão curta quando assistimos a um jogo de futebol?
• Não é engraçado como não achamos as palavras quando oramos, mas elas estão sempre na ponta da língua para conversarmos com um amigo?
• Não é engraçado sentirmos tanto sono ao ler um capítulo da Bíblia mas é fácil ler 100 páginas do último romance de sucesso?
• Não é engraçado como queremos sempre as cadeiras da frente no teatro ou num show, mas sempre sentamos no fundo da igreja?
• Não é engraçado como precisamos de 2 ou 3 semanas de antecedência para agendar um compromisso na igreja, mas para outros programas estamos sempre disponíveis?
• Não é engraçado como temos dificuldade de aprender a evangelizar e como é fácil aprender e contar a última fofoca?
• Não engraçado como acreditamos nos jornais, mas questionamos a Bíblia ?
• Não é engraçado como todo mundo quer ser salvo desde que não tenha que acreditar, dizer ou fazer nada ?
• Não é engraçado como mandamos milhares de piadas pelo e-mail que se espalham como um incêndio, mas quando recebemos mensagens sobre DEUS não reenviamos para ninguém?
• NÃO É ENGRAÇADO? Você está pensando?
• Não é engraçado que quando você for repassar esta mensagem você vai excluir um monte de gente que você acha que não acredita em nada? Não é engraçado?
• Não, não é engraçado, é triste!
• PRECISAMOS TER MAIS INTIMIDADE COM DEUS!!!!
Você sabe qual a razão de tudo isso? No fundo, o grande problema é que nós estamos longe da vida que Deus sonhou para nós.
Deus sonhou coisa maravilhosa para nós. Uma vida de paz e alegria. Uma vida saudável.

Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês', diz o SENHOR, 'planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro. – Jeremias 29.11
Fomos criados para sermos uma obra prima de Deus.
O pecado desfigurou a imagem e semelhança de Deus em nós e nos tornou apenas uma sombra do que poderíamos ser.
Quando vemos alguém realizar uma coisa grandiosa – por exemplo um músico, um atleta de alta performance, um cientista, etc. temos um vaga idéia do que Deus tinha para nós. O projeto de Deus era de cada um de nós reunir todas essas qualidade incríveis que observamos isoladas em algumas pessoas.
O desejo por superação e significância está em cada um de nós. É por isso que amamos histórias de contos-de-fadas, heróis, seres de outros planetas, etc.. No fundo desejamos viver uma vida fora do normal, a vida dinâmica e maravilhosa que Deus tinha preparado para nós.
No fundo não aceitamos a morte, não aceitamos a doença, não aceitamos o envelhecimento, não aceitamos a fraqueza, não aceitamos uma vida sem graça. Sabemos dentro de nós que essas coisas não combinam com os anseios de nossos corações. Ansiamos pela eternidade
Ele fez tudo apropriado ao seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; Eclesiastes 3.11
A boa notícia (EVANGELHO) é que Deus preparou uma solução desde a eternidade.
3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo. 4 Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença. 5 Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos, por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade; Efésios 1.3-5
A esperança da Redenção é a esperança da transformação
Somente a esperança em Cristo torna possível a metanóia – termo grego que significa transformação de mente.
Para receber esta realidade o ser humano precisa aceitar duas coisas:
1º - ELE ESTÁ DECAÍDO POR CAUSA DO PECADO
pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus, Romanos 3.23
2º - SOMENTE JESUS PODE MUDAR ISSO
24 sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus. , Romanos 3.24
O grande desafio do ser humano é aceitar que a grande mudança não se dá externamente. Nenhum governo ou ação humana vai mudar verdadeiramente o mundo para melhor.
Nenhuma religião, filosofia de vida, educação, recursos ou boa vontade de alguns pode mudar o coração humano.
A verdade é que o problema dos homens não está fora deles, mas em seus corações.
A bíblia nos fala de uma pessoa que desejava mudar. E essa pessoa passou por uma transformação real e completa apenas depois que se encontrou com Jesus
LUCAS 19.1-10
1 Jesus entrou em Jericó, e atravessava a cidade. 2 Havia ali um homem rico chamado Zaqueu, chefe dos publicanos. 3 Ele queria ver quem era Jesus, mas, sendo de pequena estatura, não o conseguia, por causa da multidão. 4 Assim, correu adiante e subiu numa figueira brava para vê-lo, pois Jesus ia passar por ali. 5 Quando Jesus chegou àquele lugar, olhou para cima e lhe disse: "Zaqueu, desça depressa. Quero ficar em sua casa hoje". 6 Então ele desceu rapidamente e o recebeu com alegria. 7 Todo o povo viu isso e começou a se queixar: "Ele se hospedou na casa de um 'pecador' ". 8 Mas Zaqueu levantou-se e disse ao Senhor: "Olha, Senhor! Estou dando a metade dos meus bens aos pobres; e se de alguém extorqui alguma coisa, devolverei quatro vezes mais". 9 Jesus lhe disse: "Hoje houve salvação nesta casa! Porque este homem também é filho de Abraão. 10 Pois o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido".
PARA VIVER O SONHO DA TRANSFORMAÇÃO
1 – RECONHEÇA A INSUFICIÊNCIA DO POSSUIR (v. 1-2)
• Zaqueu era rico e poderoso, mas isso não era suficiente.
• As coisas não podem tomar o lugar de Deus.
• O prazer pelas coisas é passageiro
2 – ADMITA A INSUFICIÊNCIA DO SER (V. 3)
• A baixa estatura de Zaqueu simboliza a fragilidade humana.
• Somos incapazes de mudar de verdade a nossa alma.
• Todas as iniciativas humanas fracassam diante do pecado
3 – NÃO TENHA VERGONHA – TENHA FÉ (V. 4)
• Ao subir na árvore Zaqueu abriu mão de sua posição, de sua aparência e de suas dúvidas.
• Não tenha vergonha ou medo de buscar a resposta em Deus.
• O maior inimigo da transformação é a incredulidade.
• Esteja disposto a abandonar sua posição e convicções.
4 – CREIA QUE JESUS SE IMPORTA (v. 5)
• Deus está atento aos anseios do teu coração.
• Você é importante para Deus
5 – ABRA O CORAÇÃO DE VERDADE (V. 6)
• O convite de Jesus não é apenas para uma reação emocional.
• Deus deseja mudar radicalmente a nossa vida
6 – ESPERE OPOSIÇÃO E CRÍTICAS (v. 7)
• Você sofrerá oposição de outras pessoas
• Você vai desagradar o Diabo
7 – RECEBA UMA NOVA VIDA
• Uma nova vida já neste mundo (v. 8)
• Uma nova vida no céu (v. 9-10)
CONCLUSÃO
A verdadeira transformação de vida somente acontece em uma vida totalmente rendida a JESUS!
Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!. 2Co 5.17
SOMENTE EM JESUS PODEMOS EXPERIMENTAR TODAS AS ALEGRIAS QUE DEUS RESERVOU PARA NÓS E QUE O PECADO TOMOU
SOMENTE EM JESUS ALCANÇAMOS A SALVAÇÃO DE NOSSAS ALMAS
• Nenhuma religião ou igreja salva.
• Nenhuma filosofia de vida salva.
• Nenhuma boa ação salva.
• Não existe reencarnação.
• Não existe purgatório
• SÓ JESUS CRISTO SALVA

Com Jesus a vida tem sentido e verdadeira alegria.
ARREPENDA-SE DOS SEUS PECADOS
ENTREGUE SUA VIDA A JESUS

sábado, 31 de outubro de 2009

CRIATIVIDADE OU FÉ?

“Porém ele lhes respondeu: Dai-lhes vós mesmos de comer. Disseram-lhe: Iremos comprar duzentos denários de pão para lhes dar de comer?” (Marcos 6:37 ARA)



Jesus me fascina. Mesmo sabendo que não entenderiam a ordem ou a teriam por impossível, Jesus ordena alimentar uma multidão que com certeza eles nunca tinham visto, muito menos liderado. Mas gostaria de meditar no impasse, na incapacidade de achar solução.

Poderíamos esperar que eles se ajoelhassem e orassem para surgir um caminhão de comida – seria bem espiritual. Poderíamos esperar até que Jesus ordenasse que não tivessem fome, o que seria ainda mais espiritual. Faltou criatividade? Talvez. Faltou fé? Sem dúvida.

Me parece que nós somos muito parecidos com os discípulos neste ponto. Tendemos a olhar para nossos líderes com uma daquelas perguntas do tipo “o senhor está gozando de mim?”. Outras vezes, simplesmente tiramos o time de campo em silêncio (ou não) e fica tudo sem solução. Deus só precisa de uns poucos pães para fazer um milagre – e nós de umas migalhas de fé.

Talvez nem devêssemos ser criativos e sim receptivos. Ao invés de ouvir a voz de Deus queremos criar alguma coisa, mas o criador é Ele. Isso se chamaria fé, claro. Temos de lembrar os ingredientes da receita: desafio, ordem, matéria prima e solução. Neste caso temos multidão com fome (desafio), o dai-lhes vós de comer (ordem), cinco pães (matéria prima) e a distribuição (solução). Quantas vezes Deus propôs algo assim diante de nós?

É chegado um tempo de gerarmos uma fé em nós que não seja contemplativa, de ler a Bíblia e achar bonito. Precisamos ler, entender e praticar. Precisamos enxergar os 5 pãezinhos e com a fé ver neles uma multidão alimentada. Fé para ser fé tem de gerar movimento, ação, provocar resultado. Nada triunfalista, apenas sair do lugar e alimentar os famintos, sejam eles físicos ou espirituais.

“Pai, eu estou cansado de ter ideias brilhantes que não servem para nada, ao mesmo tempo que pessoas ao meu redor morrem de fome. Ensina-me a ter um tipo de fé que me faz criativo na solução das coisas.”

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

AMIZADE


"O que a lagarta chama de fim de mundo, o mestre chama de Borboleta"

Um dia, quando eu era calouro na escola, vi um garoto de minha sala caminhando para casa depois da aula.
Seu nome era Kyle.
Parecia que ele estava carregando todos os seus livros.
Eu pensei:
'Por que alguém iria levar para casa todos os seus livros numa Sexta-Feira?
Ele deve ser mesmo um C.D.F'!
O meu final de semana estava planejado (festas e um jogo de futebol com meus amigos Sábado à tarde), então dei de ombros e segui o meu caminho.
Conforme ia caminhando, vi um grupo de garotos correndo em direção a Kyle.
Eles o atropelaram, arrancando todos os livros de seus braços, empurrando-o de forma que ele caiu no chão.
Seus óculos voaram e eu os vi aterrissarem na grama há alguns metros de onde ele estava. Kyle ergueu o rosto e eu vi uma terrível tristeza em seus olhos.
Meu coração penalizou-se! Corri até o colega, enquanto ele engatinhava procurando por seus óculos.
Pude ver uma lágrima em seus olhos. Enquanto eu lhe entregava os óculos, disse: 'Aqueles caras são uns idiotas! Eles realmente deviam
arrumar uma vida própria'.
Kyle olhou-me nos olhos e disse: 'Hei, obrigado'!
Havia um grande sorriso em sua face. Era um daqueles sorrisos que realmente mostram gratidão. Eu o ajudei a apanhar seus livros e perguntei onde ele morava.
Por coincidência ele morava perto da minha casa, mas não havíamos nos visto antes, porque ele freqüentava uma escola particular.
Conversamos por todo o caminho de volta para casa e eu carreguei seus livros. Ele se revelou um garoto bem legal.
Perguntei se ele queria jogar futebol no Sábado comigo e meus amigos. Ele disse que sim. Ficamos juntos por todo o final de semana e quanto mais eu
conhecia Kyle, mais gostava dele.
Meus amigos pensavam da mesma forma.
Chegou a Segunda-Feira e lá estava o Kyle com aquela quantidade imensa de livros outra vez! Eu o parei e disse:
'Diabos, rapaz, você vai ficar realmente musculoso carregando essa pilha de livros assim todos os dias!'.
Ele simplesmente riu e me entregou metade dos livros. Nos quatro anos seguintes, Kyle e eu nos tornamos mais amigos, mais unidos. Quando estávamos nos formando começamos a pensar em Faculdade.
Kyle decidiu ir para Georgetown e eu para a Duke. Eu sabia que seríamos sempre amigos, que a distância nunca seria problema. Ele seria médico e eu ia tentar uma bolsa escolar no time de futebol.
Kyle era o orador oficial de nossa turma. Eu o provocava o tempo todo sobre ele ser um C..D.F.
Ele teve que preparar um discurso de formatura e eu estava super contente por não ser eu quem deveria subir no palanque e discursar.
No dia da Formatura Kyle estava ótimo.
Era um daqueles caras que realmente se encontram durante a escola.
Estava mais encorpado e realmente tinha uma boa aparência, mesmo usando óculos.
Ele saía com mais garotas do que eu e todas as meninas o adoravam!
Às vezes eu até ficava com inveja.
Hoje era um daqueles dias. Eu podia ver o quanto ele estava nervoso sobre o discurso. Então, dei-lhe um tapinha nas costas e disse: 'Ei, garotão, você vai se sair bem!'
Ele olhou para mim com aquele olhar de gratidão, sorriu e disse:
-'Valeu'!
Quando ele subiu no oratório, limpou a garganta e começou o discurso:
'A Formatura é uma época para agradecermos àqueles que nos ajudaram durante estes anos duros. Seus pais, professores, irmãos, talvez até um treinador, mas principalmente aos seus amigos. Eu estou aqui para lhes dizer que ser um amigo para alguém, é o melhor presente que você pode lhes dar. Vou contar-lhes uma história:'
Eu olhei para o meu amigo sem conseguir acreditar enquanto ele contava a história sobre o primeiro dia em que nos conhecemos. Ele havia planejado se matar naquele final de semana! Contou a todos como havia esvaziado seu armário na escola, para que sua Mãe não tivesse que fazer isso depois que ele morresse e estava levando todas as suas coisas para casa.
Ele olhou diretamente nos meus olhos e deu um pequeno sorriso.
'Felizmente, meu amigo me salvou de fazer algo inominável!' Eu observava o nó na garganta de todos na platéia enquanto aquele rapaz popular e bonito contava a todos sobre aquele seu momento de fraqueza.
Vi sua mãe e seu pai olhando para mim e sorrindo com a mesma gratidão.
Até aquele momento eu jamais havia me dado conta da profundidade do sorriso que ele me deu naquele dia.

Nunca subestime o poder de suas ações. Com um pequeno gesto você pode mudar a vida de uma pessoa.
Deus nos coloca na vida dos outros para que tenhamos um impacto, uns sobre o outro de alguma forma.

PROCURE O BEM NOS OUTROS!

AGORA VOCÊ TEM 2 OPÇÕES:

1) Passar esta história aos seus amigos ou;

2) Apagar este texto e agir como se ele não tivesse tocado o seu
coração.

Como você pode ver, eu escolhi a primeira opção.

Esta mensagem mostra o quanto os meus amigos são importantes pra mim!

QUANDO O VENTO SOPRA AO CONTRÁRIO.

"Todas as coisas contribuiem para o bem daqueles que amam a Deus, que são chamados por seu decreto." Apóstolo Paulo

Há momentos da nossa vida em que os ventos parecem ser contrários.
Nada dá certo! Nada funciona! Tentamos, tentamos, mas não vamos a lugar nenhum porque os ventos nos são contrários.
O que fazer quando tudo parece conspirar contra a nossa vida?
O que fazer quando, por mais que tentemos nós, não conseguimos ir a lugar nenhum?
O que fazer quando em nossa vida os ventos sopram contrário, os céus estão blindados,
Deus parece estar silente e o nosso barquinho começa a ser açoitado pelas ondas da vida?
Devemos reavaliar as nossas prioridades.
A crise tem esse efeito didático em nossas vidas. ela nos leva a reavaliar as nossas prioridades.
Ela nos faz ver aquilo que realmente é importante e aquilo que não é importante.
Então quando o barco das nossas vidas estiverem sendo açoitados,
é hora de revermos as prioridades, é hora de jogar ao mar aquilo que não tem muito valor
e nos agarrar àquilo que realmente importa.
Devemos nos agarrar às promessas iniciais de Deus.
Porque Deus jamais deixou de cumprir as Suas promessas, porque são infalíveis.
Devemos lembrar que Deus não promete sermos poupados de sofrer, mas nos dá ãnimo para vencermos as lutas.
Não nos dá pernas ágeis para correr, nos dá ombros largos para suportar o peso da cruz.
Quando o barquinho das nossas vidas estiver sendo açoitado pelos ventos que nos são contrários,
devemos sempre nos lembrar dessas verdades que nos dão a certeza de que nossas vidas estão seguras nas mãos do nosso Deus e que toda crise obedece a um propósito determinado dentro de Seu plano eterno.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

HOJE DEVES...

Hoje deves parar.
Talvez o mundo já corra demais.

Hoje deves ouvir.
Talvez interesse a opinião dos outros.

Hoje deves olhar.
Talvez haja alguma novidade fora de ti.

Hoje deves dar.
Talvez o que te sobra falte a alguém.

Hoje deves falar.
Talvez tenhas alguma boa nova a dizer.

Hoje deves orar.
Talvez tenhas necessidade de um Pai.

Hoje deves pensar.
Talvez te seja útil um auto-retrato.

Hoje deves cantar.
Talvez a alegria te encurte o caminho.

Hoje deves comungar.
Talvez tenhas um sonho a partilhar.

Hoje deves receber.
Talvez o outro precise de amar.

Hoje deves caminhar.
Talvez te encontres com alguém na vida.

Hoje deves sorrir.
Talvez alguma flor esteja a precisar de sol.

Hoje deves começar.
Talvez amanhã seja tarde.

Hoje deves renascer.
Talvez tenhas nascido apenas.

Autor: M.Rito Dias

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

NÃO DESISTA NUNCA!


“Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que desejais.” Jeremias 29.11

Um homem investe tudo o que tem numa pequena oficina. Trabalha dia e noite, dormindo apenas quatro horas por dia. Dorme ali mesmo, entre um pequeno torno e algumas ferramentas espalhadas. Para poder continuar seus negócios, empenha sua casa e as jóias da esposa.

Quando, finalmente, apresenta o resultado de seu trabalho a uma grande empresa, recebe a resposta que seu produto não atende o padrão de qualidade exigido.

O homem desiste? Não! Volta à escola por mais dois anos, sendo vítima da chacota de seus colegas e de alguns professores, que o chamam de "louco".

O homem fica ofendido? Não! Dois anos depois de haver concluído o curso de Qualidade, a empresa que o recusara finalmente fecha contrato com ele.

Seis meses depois, vem a guerra. Sua fábrica é bombardeada duas vezes. O homem se desespera e desiste? Não! Reconstrói sua fábrica, mas um terremoto novamente a arrasa.

Você pensará, é claro: bom, agora sim, ele desiste! Mais uma vez, não!

Imediatamente após a guerra há uma escassez de gasolina em todo o país e este homem não pode sair de automóvel nem para comprar alimentos para sua família.

Ele entra em pânico e decide não mais continuar seus propósitos? Não!

Criativo, ele adapta um pequeno motor à sua bicicleta e sai às ruas. Os vizinhos ficam maravilhados e todos querem as chamadas "bicicletas motorizadas". A demanda por motores aumenta e logo ele não conseguiria atender todos os pedidos! Decide montar uma fábrica para a novíssima invenção. Como não tem capital, resolve pedir ajuda para mais de quinze mil lojas espalhadas pelo país. Como a idéia parece excelente, consegue ajuda de 3.500 lojas, as quais lhe adiantam uma pequena quantidade de dinheiro...

Hoje, a Honda Corporation é um dos maiores impérios da indústria automobilística! Esta conquista foi possível porque o Sr. Soichiro Honda, o homem de nossa história, não se deixou abater pelos terríveis obstáculos que encontrou pela frente.

Em nossas vidas... Quantos de nós, desistimos por muito menos? Quantas vezes o fazemos antes de enfrentar minúsculos problemas? Todas as coisas são possíveis, quando sustentadas por um sonho e valores consistentes.

Tome a decisão de um vencedor... Jamais desista!!!


Vai desistir??? Pense bem!!!!

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

DEIXADOS PARA TRÁS

“Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram: O segundo. Declarou-lhes Jesus: Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no reino de Deus.” (Mateus 21:31 ARA)

Eu estou convencido de que vivemos tempos muito difíceis na história humana, especialmente pelo esfriamento do amor. Acima de tudo, me constrange ver a quantidade de gente que diz servir a Deus falando coisas que a Bíblia não ensina, como se fosse coisa boa. Vai desde declarações quase mágicas que as pessoas repetem para alcançar seus objetivos nem tão nobres, até mesmo procedimentos muito muito questionáveis. O verdadeiro evangelho bíblico não tem lugar para misticismo, pois Deus é espiritual e não místico.

Com isso só posso concluir que muitos serão chamados mas poucos serão escolhidos, ainda que isso já foi dito e escrito. No texto acima vemos um grupo contemporâneo de Jesus de Nazaré sendo duramente repreendido. Ainda que o texto não diga com todas as letras, para os publicanos e meretrizes chegarem primeiro, o destino certeiro deles era o inferno.

Os publicanos eram cobradores de impostos, ou seja, mesmo sendo hebreus trabalhavam para os romanos. Corruptos em massiva maioria, traidores aos olhos do povo e amaldiçoados por todos os pagantes. As meretrizes, quase não precisa comentar, são consideradas imundas em muitas civilizações e entre os judeus não era diferente. Obviamente se este ofício ainda existia, era porque seus serviços ainda eram procurados, mas isso é outro assunto.

Ao ser colocado depois destes, a posição fica desprivilegiada. Como podemos saber se Jesus está nos censurando ou aprovando? PELA BÍBLIA e somente pela Bíblia. Se nos aprofundarmos em conhecimento e entendimento, o Espírito Santo de Deus fará todo restante. Faça sua parte portanto e confie em Deus.

Enquanto ainda é tempo, procure conhecer e praticar a Bíblia ao máximo. Jamais acontecerá de ter de ouvir uma dura repreensão como esta.

“Senhor, ainda que eu entenda que nem todos são dignos do Teu Reino, eu quero ser encontrado pronto a te servir ainda nesta vida. Ajuda-me e ensina-me.”

sábado, 19 de setembro de 2009

SOMOS ATORES E NÃO EXPECTADORES

"e se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e
orar, e buscar a minha face, e se desviar dos seus maus
caminhos, então eu ouvirei do céu, e perdoarei os seus
pecados, e sararei a sua terra" (2Crônicas 7:14).

O derrotismo cristão entristece a Deus. Devemos nos recusar
a permanecer como meros expectadores enquanto a nossa nação
é envolta em trevas. Os discípulos do Senhor devem ser
conquistadores e não conquistados. Será que já esquecemos de
que os cristãos do primeiro século, enfrentando dificuldades
muito maiores, "viraram o mundo de cabeça para baixo"? Será
que temos nos deixado abater pelas tribulações a ponto de
esquecer da ordem de Cristo, "negociai até que eu venha"?

Os cristãos devem ser o "sal"da nação, um instrumento de
preservação. Se as circunstâncias são negativas, é
necessário que haja um esforço para mudá-las. Se o desânimo
e o conformismo se instalam nos corações, é preciso que a
esperança continue a ser semeada. Se os olhos desalentados
só conseguem ver raios e trovões, é importante que se
proclame: "O Sol da Justiça voltará a brilhar"!

Além de dar sabor ao que parece insípido, o cristão também
deve por em prática a sua função de "luz do mundo". Não há
escuridão onde a luz esta presente, não há tropeços quando
se conhece o Caminho iluminado, não há temor se, além da
luz, pode-se caminhar de mãos dadas com o criador da luz.

E para que o cristão seja sal e luz, precisa se deixar
moldar pelo Senhor. Para que não seja um mero expectador,
precisa colocar a vida no centro da vontade de Deus. Para
que seja uma bênção na sua nação, precisa manter um íntimo
contato com o Seu Salvador, para que seus pecados sejam
perdoados e para que suas vestes sejam alvas em todo o tempo.

Você se conforma em ser expectador ou deseja participar
ativamente na transformação de sua terra?

terça-feira, 15 de setembro de 2009

VOCÊ GOSTA DO QUE FAZ?


“Se alguém não gosta do que faz, não deve fazer.” (Ryoki Inoue)

Estava lendo o site do Ryoki Inoue e chamou-me a atenção esta frase. Ryoki é considerado o escritor mais produtivo do mundo, já publicou mais de 1000 livros de sua autoria. Não conheço o conteúdo da sua obra (soube dele por causa de uma reportagem sobre autores de romances) mas a frase explica em parte a sua excepcional capacidade produtiva. Se não gostasse de escrever ou de ser imaginativo certamente não conseguiria os resultados que consegue.

Durante a minha vida já estive em várias situações onde tive de fazer o que não gostava. Mesmo quando estava trabalhando em um projeto que eu tinha interesse e paixão, era obrigado a cuidar de detalhes ou tarefas que não eram do meu agrado. Essas eram atividades necessárias para conseguir atingir o objetivo e levar o projeto ao sucesso. Todas as atividades humanas têm essa característica.

Existem pessoas, no entanto, que assumem projetos que não são do seu interesse ou se colocam em situações que não são confortáveis para elas. Em vez de ter apenas algumas atividades que não são do seu agrado, acabam tendo a vida enroscada em algo de que não gostam. Em vez de ter momentos de tensão, passam a viver uma tensão contínua. Em vez de viver em paz e alegria, passam a desejar experimentá-las de vez em quando para ver se conseguem ânimo para continuar, torcendo para sobreviverem até que esta fase acabe.

O que as pessoas que passam por isso não conseguem enxergar é que esta situação mina a sua capacidade, produtividade e criatividade. Elas necessitam de mais energia para conseguir atingir os resultados esperados, pois terão de vencer primeiro o seu próprio estado emocional. Por ter de despender mais energia, elas imaginam que estão trabalhando muito e portanto conseguindo bons resultados; o que pode não ser verdade.

O apóstolo Paulo escreveu, em 1 Coríntios 13, algo parecido com o que o Ryoki escreveu, mas de um ponto de vista diferente. Ele diz que não adianta fazer o que faz se não fizer com amor.

Se você não ama aos pobres, não adianta dar o que tem para eles. Se não ama aos doentes, não adianta tentar curá-los. Se não ama aos irmãos, não adianta ser diácono. Se não ama a igreja, não adianta ser pastor. Vai fazer mal feito, na melhor das hipóteses.

Mudar isso pode significar uma ruptura. Se o problema é o seu trabalho, pode ter de enfrentar o desafio de trocar de emprego, com todas as consequências que isso trás. Se for ministério, pode ser que tenha de dar tempo para ouvir de Deus a orientação. Se for um relacionamento, pode ser necessário uma conversa difícil.

Se a mudança externa não é possível, então é necessário uma mudança interna. Teremos de tomar a decisão de amar. E como isso é muito difícil pelas nossas próprias forças, temos de pedir a Deus que nos dê a capacidade de amar, mesmo que nossos sentimentos não acompanhem a decisão.

Com certeza, ao fazermos tudo por amor, nossa atitude mudará e nossos sentimentos acabarão por acompanhar a mudança de atitude. Com isso, é muito provável que as tarefas, mesmo aquelas que não são as mais apreciadas, se tornem menos estressantes e experimentemos uma vida mais leve de ser vivida. Com as emoções liberadas, a capacidade e a criatividade podem fluir e levar a uma produtividade maior.

“Senhor, ajuda-me a mudar o que for necessário. Se não for possível, ajuda-me a amar aquilo que faço.”

domingo, 13 de setembro de 2009

PAIS E FILHOS



“ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição.” (Malaquias 4:6 ARA)

Vivemos dias certamente dolorosos para quem é pai ou mãe, pois o afastamento dos filhos é provocado de todos os lados. A TV ensina isso, os colegas da escola pressionam, os joguinhos, o emprego dos pais, a correria da sociedade e tantas coisas.

É desnecessário citar outros textos bíblicos que mencionam o quanto Deus valoriza o relacionamento entre pais e filhos. Neste, em particular, temos a palavra maldição aparecendo explicitamente. Na época em que escrevo esta meditação todos estão atônitos com a gripe A, tivemos uma quebra de safra de trigo na Argentina e estamos saindo de uma seca. Será que podemos chamar isso de “ferir a terra”? A mim parece que sim.

Ainda é tempo de ouvirmos a voz de Deus e levarmos Sua palavra a sério, ensinando e praticando o básico: não levar os filhos à ira + honrar pai e mãe = vida abençoada por Deus. Conheço muitos empresários e homens de sucesso, alguns muito ricos outros nem tanto. Um bom número deles, pra não dizer quase todos, se dão bem com seus pais, sendo cristãos ou não. Da grande maioria, ou quase todos, aqueles que estão “quebrados” continuamente, têm problemas com seus pais. Coincidência ou Deuscidência?

Ainda que seja um texto no Antigo Testamento e dentro de um cenário histórico bem delimitado, outras referências confirmam o princípio de que é imprescindível que o coração dos filhos esteja voltado aos pais e o dos pais aos filhos.

É mais do que tempo de buscarmos e praticarmos o perdão, o reatar de relacionamentos, o retorno ao básico. A simplicidade tem sido uma riqueza perdida no meio cristão. Voltemos à obediência e sejamos abençoados.

“Senhor, ensina-me a honrar meus pais e a zelar pelos meus filhos como o Senhor deseja. Não como uma barganha para melhorar minha vida, mas para que se agrade o Teu coração e isso me abençoe.”

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

OBSTÁCULOS



"...mas eu perseverei em seguir ao Senhor meu Deus" (Josué 14:8).

Charles Harvey, do Texas, USA, sentia-se um pouco nervoso ao
se dirigir a uma entrevista importante de trabalho. Ele já
estava quinze minutos atrasado e com muita pressa, quando
passou por uma senhora de meia idade que estava parada com
um pneu furado. "Minha consciência fez-me parar", disse ele.
"Eu troquei seu pneu e corri apressado para a entrevista,
achando que já podia esquecer aquele emprego". De qualquer
maneira, ele preencheu o formulário de solicitação de
trabalho e foi para o escritório do Diretor de Pessoal.
Teria ele conseguido o trabalho? Certamente que sim. O
Diretor de Pessoal o contratou imediatamente. O Diretor era
a mulher a quem ajudou a trocar o pneu.


Muitas vezes somos surpreendidos com obstáculos que se
erguem à nossa frente exatamente no momento em que
caminhamos em direção à realização de um grande sonho.
Ficamos desesperados, achamos que tudo está perdido, que o
fracasso é definitivo. Poderemos estar completamente
enganados. Deus sabe todas as coisas e, sem que o
percebamos, Ele estará nos fornecendo a porta de entrada de
uma grandiosa bênção.


O grande segredo para um final feliz é nunca desanimar ou
desistir de nossos sonhos. Se cairmos, devemos levantar
imediatamente e seguir em frente. se fracassarmos, devemos
recomeçar com o mesmo ardor e determinação. Se alguém nos
mandar parar ou escarnecer de nossa insistência, olhemos
para o alto, para o Senhor dos senhores, e agradeçamos por
nos fazer mais do que vencedores.


Se a nossa vitória está demorando um pouco, não murmuremos.
Se a nossa caminhada encontra pedras e buracos, agradeçamos
ao Senhor por tudo. Todas as coisas cooperam para o bem dos
que O amam. Saibamos esperar, reconheçamos que as coisas de
Deus têm o tempo certo.


Se o seu sonho ainda não se realizou, não deixe de confiar
em Deus. Se, enquanto espera, surgir a oportunidade de
ajudar na realização do sonho de outra pessoa, faça-o com
prazer. Você se alegrará com a vitória dos amigos e, ao
chegar a sua, a felicidade será muito maior.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

TEMPESTADES




“E Jesus estava na popa, dormindo sobre o travesseiro; eles o despertaram e lhe disseram: Mestre, não te importa que pereçamos?” (Marcos 4:38 ARA)

Jesus tinha ordenado aos discípulos para atravessarem o lago, indo para a outra margem. Ele tinha alguns experientes pescadores no grupo, que certamente já tinham enfrentado mudanças de tempo enquanto estavam na água. Mas o tempo mudou de maneira diferente naquele dia. Pela descrição do evangelista a mudança foi repentina e violenta.

É totalmente natural que todos tenham ficado com medo, afinal eram seres humanos. Eles então se voltaram para Jesus. Eles já tinham visto ele fazer tantos milagres será que não poderia fazer outro agora?

Se você notar, os discípulos procuraram Jesus porque não havia outra coisa a fazer. Eles estavam no meio do lago, não tinham para ir, nem onde se esconder.

Curiosamente, mesmo com toda essa confusão, o Mestre está repousando, tranquilo. Ele não está preocupado com a mudança repentina que sobreveio sobre todos. Ele sabe que tem a autoridade para controlar os eventos que acontecem.

Nós hoje podemos enfrentar períodos que parece que as mudanças são tão repentinas e violentas quanto a mudança do tempo durante a travessia dos discípulos. Uma mudança sobrevêm sobre nós hoje, outra amanhã, quando achamos que é só, na semana que vem tem outra e mais outra, parece que não acabam. Uma complica outra e temos a impressão que nossa vida vai ficando sem solução.

Nestes momentos podemos até ter a impressão de que estamos sozinhos na tempestade e nos perguntamos onde está Deus em tudo isso. Por que Ele está tão silencioso e tranquilo enquanto eu estou passando por esse momento de temor? Simples é porque ele sabe que tem a autoridade para controlar os eventos que estão acontecendo.

Não há problema nenhum em fazer como os discípulos e clamar ao Senhor e pela sua intervenção. Se nos entregarmos a ele com certeza o ouviremos dizendo ao nosso coração “Acalma-te” e às nossas circunstâncias “Emudece”!

“Senhor, quero entregar a Ti meu amedrontado coração. Ajuda-me a enfrentar as mudanças na minha vida confiando em Ti.”

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

QUAL TIPO DE CRISTÃO O MUNDO PRECISA?


O povo de Israel procurou um rei que fosse estéticamente bonito e escolheram Saul. Certa igreja precisava de um pastor, por isso enviou uma solicitação à donominação para que indicasse um candidato ao cargo. "Precisamos de um pastor que de joelhos alcance o céu", foi o telegrama que enviaram.

Seria preferível um grupo de louvor simples e sem tanto esmero técnico, mas composto de homens e mulheres com vida íntegra. Vale mais um pastor sem os carismas empolgantes dos grandes tribunos, mas que viva com afeto e cuidado com os indivíduos. De nada adiante uma apresentação lustrosa de vozes afinadas no coral, porém destituída de virtude.

Por que? As razões são simples: Os dons espirituais sem amor valem menos que sinos tinindo; fé sem caráter é igual a presunção espiritual; comportamentos religiosos sem misericórdia são proselitismos; ação eclesiástica sem caráter significa ativismo inconsequente; os sermões sem vida valem como discursos tolos; prece sem pureza de intenções não passa de reza pagã.

O grande desafio do século XXI para o cristianismo é de credibilidade e e nem tanto da defesa da verdade. Precisamos de pessoas que saibam calar quando outros falam ou que falem quando houver necessidade; que prefiram andar quando outros correm; que amem mais o silêncio que os espalhafatos dos palcos.

Precisamos de cristãos que não se embriaguem com o poder, não amem o dinheiro e nem busquem a (vã) glória humana.

Somente assim a fé cristã voltará a ser referência de valores eternos e não motivo de escárnio.

EU GOSTO


"Eu gosto de trazer à memória só o que pode me dar esperança" Profeta Jeremias.




Me assusto como o mundo pode dar voltas tão repentinamente.
Gosto de partir, para sentir a alegria do caminho de volta.
Gosto de voltar, para sentir saudade de onde passei.
Gosto de confundir os sentimentos da partida com o regresso, isso é demais.
Gosto de cachoeiras e de lagos. É a sensação da fúria e da calma.

Gosto dos outros.
Gosto de mim. Porque me descubro
Gosto da dúvida. Isso me faz melhorar.
Gosto do medo. Me impõe limites.
Gosto da perfeição. É desafiadora.

Gosto de ser útil. Acho que o sentimento de inutilidade é que faz a gente morrer.
Gosto do novo, das descobertas,
Que nos levam para um outro mundo, como uma passagem secreta.
Gosto de viver cada momento o mais intensamente possível,
pois cada um deles vai marcar profundamente nossa vida.
Gosto de partir, com a idéia que é a última vez que todos estão me vendo e eu vendo a eles.

Gosto de imaginar a beleza das coisas no momento e para o fim que foram criadas.
Gosto do velho.
Fico imaginando como o velho seria hoje.
Pois só conhecendo o ontem, pode-se viver o hoje e planejar o amanhã.

Autor: Heraldo Costa
Foto: Cachoeira do Lajedo (Divisa Mazagão/Laranjal)

terça-feira, 1 de setembro de 2009

ESTÁS DEPRIMIDO?


Não estás deprimido, estás distraído …
…Distraído em relação à vida que te peenche,
Distraído em relação à vida que te rodeia,
Golfinhos, bosques, mares, montahas, rios.
Não caias como caiu teu irmão que sofre por um único ser humano,
quando existem cinco mil e seiscentos milhões no mundo.
Além de tudo, não é assim tão ruim viver só.
Eu fico bem, decidindo a cada instante o que desejo fazer, e graças à
solidão conheço-me… o que é fundamental para viver.
Não faças o que fez teu pai, que se sente velho porque tem setenta
anos, e esquece que Moisés comandou o Êxodo aos oitenta e Rubinstein
interpretava Chopin com uma maestria sem igual aos noventa, para citar
apenas dois casos conhecidos.
Não estás deprimido, estás distraído. Por isso acreditas que perdeste
algo, o que é impossível, porque tudo te foi dado. Não fizeste um só
cabelo de tua cabeça, portanto não és dono de coisa alguma.
Além disso, a vida não te tira coisas: te liberta de coisas… alivia-te
para que possas voar mais alto, para que alcances a plenitude.
Do útero ao túmulo, vivemos numa escola; por isso, o que chamas de
problemas são apenas lições.
Não perdeste coisa alguma: Aquele que morre apenas está adiantado em
relação a nós, porque todos vamos na mesma direção. E não esqueças,
que o melhor dele, o amor, continua.......vivo em teu coração.
Não existe a morte... Apenas a mudança.
E do outro lado te esperam pessoas maravilhosas: Gandhi, o Arcanjo
Miguel, Whitman, São Agostinho, Madre Teresa, teu avô e minha mãe, que
acreditava que a pobreza está mais próxima do amor, porque o dinheiro
nos distrai com coisas demais, e nos machuca, porque nos torna
desconfiados.
Faz apenas o que amas e serás feliz. Aquele que faz o que ama, está
benditamente condenado ao sucesso, que chegará quando for a hora,
porque o que deve ser será, e chegará de forma natural.
Não faças coisa alguma por obrigação ou por compromisso, apenas por
amor. Então terás plenitude, e nessa plenitude tudo é possível sem
esforço, porque és movido pela força natural da vida, a mesma que me
ergueu quando caiu o avião que levava minha mulher e minha filha; a
mesma que me manteve vivo quando os médicos me deram três ou quatro
meses de vida.
Deus te tornou responsável por um ser humano, que és tu. Deves trazer
felicidade e liberdade para ti mesmo. E só então poderás compartilhar
a vida verdadeira com todos os outros.
Lembra-te : "Amarás ao próximo como a ti mesmo". Reconcilia-te
contigo, coloca-te frente ao espelho e pensa que esta criatura que
vês, é uma obra de Deus, e decide neste exato momento ser feliz,
porque a felicidade é uma aquisição.
Aliás, a felicidade não é um direito, mas um dever; porque se não
fores feliz, estarás levando amargura para todos os teus vizinhos.
Um único homem que não possuiu talento ou valor para viver, mandou
matar seis milhões de judeus, seus irmãos.
Existem tantas coisas para experimentar, e a nossa passagem pela terra
é tão curta, que sofrer é uma perda de tempo. Podemos experimentar a
neve no inverno e as flores na primavera, o chocolate de Perusa, a
baguette francesa, os tacos mexicanos, o vinho chileno, os mares e os
rios, o futebol dos brasileiros, As Mil e Uma Noites, a Divina
Comédia, Quixote, Pedro Páramo, os boleros de Manzanero e as poesias
de Whitman; a música de Mahler, Mozart, Chopin, Beethoven; as
pinturas de Caravaggio, Rembrandt, Velázquez, Picasso e Tamayo, entre
tantas maravilhas.
E se estás com câncer ou AIDS, podem acontecer duas coisas, e ambas
são positivas:
se a doença ganha, te liberta do corpo que é cheio de processos (tenho
fome, tenho frio, tenho sono, tenho vontades, tenho razão, tenho
dúvidas)... Se tu vences, serás mais humilde, mais agradecido...
portanto, facilmente feliz, livre do enorme peso da culpa, da
responsabilidade e da vaidade, disposto a viver cada instante
profundamente, como deve ser.
Não estás deprimido, estás desocupado.
Ajuda a criança que precisa de ti, essa criança que será sócia do teu filho.
Ajuda os velhos e os jovens te ajudarão quando for tua vez.
Aliás, o serviço prestado é uma forma segura de ser feliz, como é
gostar da natureza e cuidar dela para aqueles que virão.
Dê sem medida, e receberás sem medida.
Ama até que te tornes o ser amado; mais ainda converte-te no próprio Amor.
E não te deixes enganar por alguns homicidas e suicidas.
O bem é maioria, mas não se percebe porque é silencioso.
Uma bomba faz mais barulho que uma caricia, porém, para cada bomba que
destrói há milhões de carícias que alimentam a vida.
Vale a pena, não é mesmo?.
Se Deus possuisse uma geladeira, teria a tua foto pregada nela. Se ele
possuisse uma carteira, tua foto estaria nela. Ele te envia flores a
cada primavera. Ele te envia um amanhecer a cada manhã. Cada vez que
desejas falar, Ele te escuta. Ele poderia viver em qualquer ponto do
Universo, mas escolheu o teu coração.
Encara, amigo, Ele está louco
por ti!

Autor: Fecundo Cabral
Foto: Passarelas de Laranjal do Jari

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

CANTANDO MENTIRAS



Canto sem parar pra pensar. Canto sem meditar no que estou cantando.
Ouço músicas que os autores e cantores dizem uma coisa, mas na prática vivem outra.
Creio que essa é a tônica atual do mundo gospel. Muita música, algumas de boa qualidade, outras de média e muitas de baixíssima qualidade espiritual.
Outro dia, em alguns minutos ouvindo um programa de rádio, parei pra meditar em algumas melodias, de grande sucesso do mundo cristão.
Uma determinada cantora gospel muito famosa diz em um hino missionário que canta: “leva-me a pregar aos ribeirinhos do Amazonas”. Fala sério. Quando a convidamos para vir a Macapá, onde só passa o Rio Amazonas, se não tiver um bom cachê, com certeza não virá.
Pregar aos ribeirinhos do Amazonas é tarefa árdua que até nós – caboclos – não temos nos desincumbido satisfatoriamente.
Outro dia, na net, a irmã Lice Cabral, comentando sobre este assunto, separou algumas pérolas para nós. Vejamos:
1. “Abro mão dos meus sonhos...” Será? Deixo qualquer coisa pra seguir o Senhor? Eu deixo meu emprego dos sonhos e a minha namorada estonteante por entender que ambos me põem em rota de colisão com o meu Deus?
Nada contra os empregos dos sonhos nem contra as namoradas estonteantes, que bom se tiver as duas coisas! Sejamos sérios.
Eu ando meio cismado, cantando pouco, pensando muito.
2. “Abro mão da minha vida...!” O que exatamente o compositor tem em mente? Uma nova leva de mártires? Iria o animado crente pra Índia? Estão matando os missionários lá, queimando igrejas; quebraram o projetor e sumiram com o filme “Jesus” de uns amigos meus. Dispõe-se a morrer por Cristo, ou é só simples e inútil metáfora?
3. “E não há na Terra a quem eu queira mais que a Ti... Eu estou disposto a morrer por Ti... E o sacrifício sou eu... Abro mão dos meus sonhos, abro mão dos meus planos, abro mão da minha vida por Ti... Abro mão dos prazeres e das minhas vontades, abro mão das riquezas por Ti...” Ufa!
São afirmações pra lá de sérias. Entendo que cada salmo composto por Davi (especificamente Davi) era conseqüência direta da sua vida com Deus. Davi nãos compôs salmos de olho no mercado devocional em alta; traduziu belissimamente cada momento feliz ou desgraçado que viveu densa e intensamente na presença d’Aquele que a ele referiu-se como a menina dos Seus olhos.
Atentemos para os afirmativos. Sou mesmo crente o bastante pra cantar tudo isso sem medo de passar por hipócrita? E se, só “e se” Deus resolvesse tirar a limpo esses rompantes de cega fidelidade? O que sobraria?
Minha vida não me permite cantar dessa forma acima, sem ser hipócrita. Sou fraco demais, fútil até, faço tão aquém do necessário! As palavras do Senhor em Lucas 17: 10 remetem-me a real perspectiva daquilo que sou pra Deus, que me conhece pra dedéu e não se fia em meus arroubos de abnegação. Ele sabe o quanto amo e até onde posso ir pra demonstrar esse amor.
Atualmente meu sonho e estruturar uma pequenina e acolhedora igreja na periferia, pra pastorear e cuidar de pessoas, a quem o Pai chama de Filhos.
Alguém, escrevendo a respeito daqueles dois jovens moravianos que se venderam como escravos para entrarem numa ilha e evangelizar escravos, disse: “Os moravianos não oravam por aquilo que não estavam dispostos a ser a resposta.” Ou seja, se oravam pedindo obreiros, estavam dispostos a serem enviados como obreiros, se oravam por recursos, estavam dispostos a aplicar os seus próprios recursos.
Certamente que muitos há que cantam e arcam com os desdobramentos das afirmações daquilo que cantam, no mundo espiritual.
Quanto a mim, vou aprender uma música do Asaph Borba, cuja letra diz assim: “Ensina-me amar, mesmo quando só há ódio ao meu redor. Ensina-me a dar, mesmo quando não há nada a receber. Ensina-me a aceitar tudo quanto tens preparado para mim. Confiando que tudo está nas Tuas mãos, e que tudo vem de Ti Jesus. Ensina-me a adorar mesmo quando há pranto em meu coração; também a perdoar, como a mim tens revelado o Teu perdão. E que eu possa ter mais sede de Te conhecer melhor, cada dia mais vontade de estar ao Teu redor, escutando Teu falar, sentindo Teu amor, vivendo junto a Ti, Senhor.” Aleluia! Isso eu posso cantar!
E com essa música eu declaro: nunca mais sentirei inveja dos irmãos católicos e sua incomparável oração de São Francisco de Assis. Valeu Asaph!

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

A VÉSPERA

"Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam
apagados os vossos pecados, de sorte que venham os tempos de
refrigério, da presença do Senhor" (Atos 3:19).


Um velho rabino costumava dizer à sua congregação:
"Arrependa-se um dia antes de sua morte". Alguém disse a
ele: "Rabino, não sabemos o dia de nossa morte. Como
poderemos nos arrepender na véspera?" O rabino respondeu:
"Arrependa-se, então, hoje."


Já ouvimos, com certeza, alguém dizer: "Esse negócio de
religião é coisa para velhos. Quando eu estiver perto de
morrer eu me converto". Mas, será que chegaremos à velhice?
Será que teremos oportunidade de um arrependimento antes do
dia marcado por Deus para nossa partida?


O apóstolo Paulo nos diz que o momento adequado para sermos
salvos é agora. Nem um dia a mais. Ao abrirmos o coração
para o Salvador, temos o nome escrito no Livro da Vida,
reservamos as chaves de nossa morada celestial, recebemos um
bilhete para seguir viagem no trem da vida abundante.


Aqueles que carregam, em seu íntimo, fardos como: mágoa,
ressentimentos, raiva e desejos de vingança, Não têm paz,
não têm alegria, passam pela vida e não vivem. Aqueles que
se arrependem de seus maus momentos e colocam esses fardos
aos pés de Jesus, sentem-se aliviados, caminham tranquilos e
desfrutam o refrigério das bênçãos do Senhor em tudo o que
fazem.


Quando reconhecemos as nossas fraquezas e nos arrependemos
de tudo que não contribui para um bom relacionamento com
Deus -- o que afasta de nós a felicidade, a nossa alma se
enche de prazer e o mundo à nossa frente se transforma.


Sem o fardo do pecado, Deus nos guiará mais rápido até as
bênçãos almejadas.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

TENTAÇÃO



"E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois
teve fome. Chegando, então, o tentador..." (Mateus 4:2, 3)

A tentação, quase sempre, não vem em nossos momentos de
firmeza espiritual, mas, pelo contrário, quando nos sentimos
mais frágeis. Quando atingimos o limite de nossa paciência,
amor, etc., é que somos tentados a abandonar o nosso
viver cristão. É preciso que tomemos muito cuidado com isso.
A tentação de Jesus começou quando estava em jejum já fazia
quarenta dias. As pessoas, normalmente, ficam mais sensíveis
quando estão vivendo debaixo de pressão. Uma atitude de
fraqueza pode comprometer toda uma vida de testemunho.

Nas lutas de nossa vida, muitas vezes, sentimo-nos fracos e
desanimados. As frustrações são muitas, as decepções se
acumulam, o sol parece que não mais brilhará em nossos dias
sombrios. É exatamente neste momento que temos vontade de
"jogar tudo para o alto", virar as costas para os nossos
sonhos, desistir de nossos propósitos, dizer adeus a tudo
que até então significava a maior bênção de nossa
existência: a vida com Deus.

É exatamente esse o plano do diabo. Minar nossas forças,
tirar-nos do Caminho, destruir nossa esperança. Ele sabe que
mesmo diante das tormentas e crises, não poderá impedir a
nossa vitória. Quer nos enganar, nos afastar do Senhor,
enfraquecer-nos cada vez mais.

Precisamos dizer a ele "não". Precisamos continuar crendo no
Senhor. Precisamos seguir em frente, perseverar, lutar por
tudo aquilo que sempre almejamos. Precisamos crer que "somos
mais do que vencedores" e que em qualquer situação, "podemos
todas as coisas em Cristo Jesus, nosso Senhor e Salvador".

É na hora da fraqueza que devemos ser fortes, é na hora da
queda que devemos olhar para o céu e segurar nas mãos de
Deus, é na hora em que tudo parece perdido que devemos tomar
posse de nossas conquistas. O Senhor está conosco, não há
derrota a Seu lado. Tudo servirá para nossa edificação e a
luz do Sol da Justiça sempre brilhará depois do vendaval.


Quando você sentir a tentação nos momentos de fraqueza, não
ceda... vença

domingo, 16 de agosto de 2009

GRANDE OBRA



“Enviei-lhes mensageiros a dizer: Estou fazendo grande obra, de modo que não poderei descer; por que cessaria a obra, enquanto eu a deixasse e fosse ter convosco?” (Neemias 6:3)

Sem ser positivista nem tirar de Deus o Seu papel, digo com total certeza que estamos todos em uma grande obra, quer convictos disso como Neemias no versículo acima, quer anônimos em uma pequena célula de uma pequena igreja. Aos olhos de Deus, toda semente pode ser uma grande árvore a despeito do seu tamanho ou forma. Aceite o que Deus tem para sua vida e persista nisso.

Se Deus o chamar não se esconda e se tiver dúvidas opte por servir. Ao tentar chamar a atenção para si, encontrará. Mas ela passa. Ao tentar atrair a bênção da presença de Deus para si, também encontrará e esta durará para sempre.

Estamos todos em uma grande obra, por que cessaríamos?

“Pai, obrigado por nos usar de alguma forma para contribuir com o Teu projeto neste mundo. Recompensa aqueles, ó Deus, que nos apoiam de tantas formas.”

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Quem Recebe As Glórias?


"Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e
riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor"
(Apocalipse 5:12).


"Eu nasci", disse um hindu convertido, de uma casta
insignificante e desprezível; tão baixa que, se um brâmane
tocar em mim, deve ir e banhar-se no rio Ganges, para se
purificar. Porém, aprouve a Deus chamar-me, não apenas para
conhecer o Evangelho, mas para ensiná-lo a outros".
Dirigindo-se a alguns brâmanes, ele falou: Meus amigos,
vocês sabem por que Deus fez isso? Se Ele tivesse
selecionado um de vocês para pregar o evangelho, ao alcançar a
conversão de muitos em seu trabalho, as pessoas diriam que
isso se devia à grande sabedoria brâmane e o seu peso de
caráter. Mas agora, quando uma pessoa for salva pelo meu
trabalho, ninguém pensará em atribuir qualquer elogio a mim;
toda a glória será de Deus".


Não há nada que nos seja mais gratificante do que fazer a
obra do Senhor.Pregar o Evangelho de Jesus Cristo, semear a
Palavra de vida e esperança, iluminar o caminho daqueles que
ainda estão sem direção, enche-nos o coração de júbilo e de
felicidade. E toda honra e toda glória pertencem ao nosso
Deus.


Foi Cristo quem nos salvou. Foi Ele quem transformou a nossa
maneira de viver e nos fez encontrar o caminho da vida
abundante e eterna. Somos bem-aventurados, somos novas
criaturas. Somos filhos de Deus. As derrotas ficaram para
trás. As decepções devem ser sepultadas. As frustrações
precisam ser ignoradas. Somos mais do que vitoriosos!


Temos todos os motivos para dar glórias ao Senhor. O muito
que fizermos será ainda bem pouco diante de tudo que Ele fez
por nós e em nós. Queremos compartilhar esta alegria, dizer
ao mundo o motivo de nosso regozijo, proclamar com toda
euforia a bênção de ter Jesus no coração. Ele merece a
honra, merece o louvor, merece toda a nossa gratidão por ter
iluminado toda a nossa vida.


Você tem dado glória a Deus?

Foto de meu celular: Forte de São José e Rio Amazonas, Macapá-AP

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

MEU PAI


Visitando interior, coisa que de vez em quando faço, pude comprovar o que os estudiosos na matéria dizem: que muitas plantas menores, nascem e crescem à sombra árvores grandes.
Por isso, é comum observar que, caindo a árvore maior, em vista da incidência do sol, os arbustos e pequenas árvores morrem.
Partindo dessa observação, pensei em meu pai. Árvore grande e frondosa, na sombra da qual crescemos nós, árvores menores e arbustos, seus filhos.
Meu pai, homem de valor que admiro tanto, com suas virtudes e também com seus limites e defeitos.
Homem sempre atento às coisas da vida, que gosta da leitura à sombra das árvores, que me mostra que às vezes é melhor dar uma parada no estaleiro do que se lançar ao alto mar sem as condições necessárias.
Grande contador de histórias, de sorriso largo, alegre e brincalhão, mesmo nos momentos da adversidade, espalhando no meu caminhar segurança e confiança no futuro.
Homem de fé, por vezes pensativo, sempre acreditando nas pessoas, mesmo indignas de confiança.
Sempre disposto a lutar, com grande generosidade.
Meu pai, paizão, que não admite o diminutivo porque é grande, em todos os sentidos, meu velho, meu amigo, meu conselheiro.
Amigo dos amigos e também dos inimigos, se houver.
Árvore grande que me fez sombra durante muito tempo, até que tivesse condições de suportar a inclemência do sol da vida, mas em cuja sombra sempre me refugio.
Meu pai, que quando eu era criança, pensei que ele sabia tudo e que era o homem mais alto e mais forte do mundo; que na adolescência, pensei que não sabia nada e que era antiguado e nem tão grande assim; que na juventude acheio-o desatualizado e que agora penso que tem bom senso e muita experiência.
Pai. Meu pai...
Que quando eu tentava fugir dos compromissos, sempre me dizia que se não os encarasse, eles ganhavam força e voltavam e voltavam.
Que me ensinou a equidade, mostrando-me que na vida, cada um recebe aquilo que lhe é devido.
Que me mostrou a moderação quando eu pensava que podia mudar o mundo e as pessoas.
Que me falou que nem sempre a maioria nos leva para o lugar certo, quando eu queria ir sempre com a multidão.
Que me disse que bem perto de mim tem alguém com os mesmos direitos que eu, quando eu só tinha olhos para o meu umbigo.
Que me disse que liberdade rima com responsabilidade.
Que me mostrou que eu jamais poderia resolver os problemas dos outros, sem que resolvesse primeiramente os meus.
Que me falou de flexibilidade, diante dos ventos que me açoitaram a vida.
Que me ensinou sobre Deus e de que como ele ajuda os que botam a mão na massa e de que como ele detesta os preguiçosos.
Por isso que hoje, vendo uma multidão de crianças e adolescentes, muitos dos quais caminham a passos largos para o abismo, sem alguém para lhes dar a mão, eu só faço um pedido a Deus: “Que os dê um pai como o meu”.
* O pai do autor é conhecido no Bairro Buritizal como “Seu Costa”, antigo vendedor de madeira. É comum vê-lo, na Rua Hildemar Maia, sentado à sombra de uma arvore, lendo um bom livro.
Foto: Meu Pai, minha Mãe e meu Filho

MEU PAI E OS PATOS


Essa história aconteceu na Macapá dos anos 70, numa daquelas manhãs chuvosas, no bairro do Buritizal.
Aquela Macapá que tinha suas figuras carismáticas que perambulavam pelas ruas: os doentes mentais Cacá e Rubilota, dos quais mamãe dizia que tinham fugido do hospício e que se os visse na rua era para correr deles; ou o "ripe único", um compridão que na nossa mente infantil já tinha rodado todo o mundo e veio parar em Macapá, que não tomava banho e fazia uns "enfeites" pro pescoço e orelha, que pouca gente comprava.
A Macapá dos arraiás de São José que eu e meu irmão Ronaldo íamos visitar, sem que nossos pais soubessem, pois estavam tranquilos nos cultos na Assembléia de Deus da Rua Tiradentes. Essas "festas profanas" que eram realizadas no terreno onde depois o Comandante Barcellos, meio contra vontade de muitos, construiu uma "grande casa" pra artistas (Teatro das Bacabeiras).
A nossa Macapá das tertúlias (não sei o que significa) que era uma festa que era realizada de tarde. De tarde?
A velha Macapá, que ia da fazenda do "Seu Muca" (fim do Buritizal, hoje bairro do Muca) até o Canal do "jandiá". E do Amazonas até o 3º BIS (Quartel do Exército). Por falar nisso, estava outro dia lembrando que o quartel do exército era longe "pacas".
Aquela Macapá, toda prosa, que tinha poucos "guardas" mas que adormecia tranquila, com muita segurança. Em casa as vezes a janela, que tinha por fechadura um trinco de madeira, acabava abrindo com o chacoalhar do vento.
Mas de manhã, tudo estava lá. Esse "tudo" se limitava a algumas panelas, redes, "muchos", lamparinas e um pote de barro, de onde a gente tirava água pra beber.
Pois bem, foi nessa Macapá que um dia fomos acordados por meu pai, com a notícia de que sua "Olé 70" tinha sido "roubada". Deixa explicar pros mais novos que uma "Olé 70" era uma bicicleta comemorativa que a Monark fez na copa de 70.
Desesperado diante da perda de um bem de grande valor e utilidade na qual ele ia trabalhar, estudar no Castelo Branco e ainda ia pra igreja, meu pai era a expressão da apreensão. Uma das primeiras imagens que tenho em minha mente é justamente meu pai "pilotando" esse monstrengo, que tinha uma roda no meio do "varão", com uma caixa de ferramentas de carpintaria na garupa.
- Onde vamos parar" dizia ele, - "não respeitam mais o patrimônio alheio".
O larápio tinha tido a audácia de entrar num quintal sem cercado e sem portão e pegar o bem, sem nenhum cadeado.
Lamentos e sustos à parte, meu pai foi naquele dia a pé pro serviço.
Estava ele numa "empleita" de construir uma pequena capela, no cemitério do bairro Santa Rita, na companhia de seu amigo Pedro.
Lá pelas tantas, perto da hora do almoço, quando já colocava o telhado, meu pai viu o gatuno passar folgadamente "charlando" em sua "Olé 70". Pediu rápido a bicicleta do Pedro e saiu em disparada pela Santos Dumont até alcançar o meliante. Emparelhando, deu um pisão na bicleta, que veio ao chão. O Ladrão, não vendo outra alternativa, saiu em desabalada carreira.
Ao recuperar a bicicleta, meu pai notou que na garupa estava um paneiro cheio de patos bem gordinhos, talvez fruto de outra empreitada criminosa do ladrão de bicicleta.
Recordo que quando meu pai chegou em casa, não se continha de tanta felicidade por ter recuperado a "magrela" e contava para nós e também para os vizinhos, pois nesse tempo nenhuma cerca dividia os quintais, sua grande façanha.
Ao ver o paneiro de patos, minha mãe ficou muito alegre, pois naquele dia colocara apenas o velho feijão com arroz no fogo e um "patarrão" daquele ia complementar a "bóia".
Ao se preparar para pegar os "quá quá", meu pai obstou sua ação dizendo que ela nada poderia fazer com os patos. Aturdida, minha mãe queria saber o motivo de poupar do almoço aquelas aves "cagonas" e meu pai explicou a ela que os patos já estavam na garupa quando recuperou a biclicleta.
- "Vou devolver na delegacia", dizia ele, para assombro de dona "Loló".
Minha mãe argumentava que, como ninguém sabia de quem eram os patos, podiam ficar pelo menos com um deles para um gostoso ensopado e que se entregasse na delegacia, outro destino não seria dado.
Meu pai, fechando a discussão disse: - "Não quero saber se a polícia vai ou não entregar pro dono, o certo é que os patos não são meus e não posso ficar com eles".
Quando essa história aconteceu eu tinha uns seis anos e estava começando a "desemburrar" na Escola Roraima, mas hoje, com 39 anos, casado, pai e magistrado, quando me vejo diante de uma questão moral e ética, me vem sempre à mente a história de meu pai e os patos.
------------------------------
O pai do autor é conhecido no Buritizal como "Seu Costa", que depois de ser carpinteiro, se tornou comerciante de madeira e construiu um bom patrimônio sem precisar ter comido o pato alheio.
Foto: Comício na Cândido Mendes no final dos anos 60

DEVOLVIDAS EM MELHOR ESTADO


Devolvidas Em Melhor Estado

"Como o cervo anseia pelas correntes das águas, assim a
minha alma anseia por ti, ó Deus!" (Salmos 42:1)

Sócrates tinha um empregado, de confiança, que ao ver outras
pessoas dando presentes ao seu mestre, veio a ele, certo
dia, e falou: "Eu gostaria de lhe dar presentes como outros
o fazem, mas, nada tenho a lhe oferecer. Quero, então,
dar-lhe minha própria vida". Vendo que a oferta de seu
empregado era séria, Sócrates lhe disse: "Eu aceito sua
oferta". Depois, começou a promover-lhe até colocá-lo como
líder de todos os outros empregados. Então, chamando-o à sua
presença, falou: "Eu agora lhe devolvo a sua vida, bem
melhor do que a recebi".


Até que ponto temos nos colocado à disposição do Senhor?
Temos Lhe confiado a vida ou apenas uma parte dela? Temos
Lhe dado o melhor ou apenas sobras de nosso tempo?


Muitas vezes nos questionamos sobre bênçãos não recebidas. A
demora não será, talvez, pelo fato do Senhor querer, ainda,
nos ensinar alguma coisa? Não estará faltando algo em nosso
relacionamento com Ele? A bênção sempre está disponível,
mas, Deus deseja que nós a recebamos e sejamos
verdadeiramente felizes quando isso acontecer.


Como é maravilhoso podermos ouvir do Senhor Jesus o
comentário: "Servo bom e fiel"! Como é gratificante ouvir de
outras pessoas: "Vejo em seu rosto um brilho especial que
mostra que você serve a Deus". Como seria estimulante se
tivéssemos a certeza de que todos os nossos passos e que
todas as palavras que proferimos, engrandecessem o nome do
nosso Salvador. Haveria muito mais refrigério em nossos
corações e uma motivação muito maior em tudo que fazemos.


Deus dá presentes e riquezas espirituais a todos que se
oferecem, com sinceridade, a Ele. Bom seria se fosse real,
em nossas vidas, o que cantamos em um velho hino: "A minha
vida eu entrego a Deus; pois o Seu Filho Ele entregou por
mim. Não importa onde for, seguirei meu Senhor; sobre terra
ou mar, onde Deus mandar, irei."

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

DEPRESSÃO



"As minhas lágrimas servem-me de alimento de dia e de noite, enquanto me dizem constantemente: Onde está o teu Deus? Lembro-me destas coisas enquanto dentro em mim derramo a minha alma: de como eu ia com a multidão, guiando a procissão à casa de Deus, com gritos de alegria, e louvor entre a multidão festiva. Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas em mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, meu Salvador e meu Deus. Ó meu Deus, dentro em mima minha alma está abatida"
(Sl 42.3-6a)

Talvez o melhor seja idealizar alguém em depressão. Vamos chamá-la de Rosa Maria. Rosa Maria não se importa com o que lhe acontece, não cuida da aparência, não troca de roupa, não penteia direito os cabelos, não prepara as comidas, e prefere sentar-se diante da TV ou escapar da vida dormindo. Dorme muito, ou passa a maior parte do dia sonhando de olhos abertos. Tem pensado na morte. É como milhões de outras pessoas no mundo, entre elas Van Gogh, Humberto de Campos e Augusto dos Anjos.

Alguém chamou a depressão de "inferno particular". O que o é, na verdade, para muita gente, apesar de que seja normal que de vez em quando nos sintamos em altos e baixos, pois como a solidão faz parte da vida. Todos sofremos o seu impacto vez por outra. Porém, quando nos sentimos em baixo ('na fossa", ou "em baixo astral", na linguagem da Nova Era), a maioria das vezes, ou choramos à menor provocação, aí temos um caso clínico de depressão. Nessa situação quem está deprimido não quer saber de alimentos, de deveres conjugais, ou até de ver outras pessoas. Nada parece dar certo, e até parece que Deus se esqueceu de nós.

Há quem se deprima com um céu cinzento, com alguém pedindo esmola, e alguém me disse que fica deprimido quando passa pelo Maciel . É isso: na estrada da vida, há obstáculos e perigos. Um deles é o vale da sombra da morte, outro é um abismo chamado Depressão.

O deprimido é alguém que se torna abatido, triste, cheio de melancolia, desanimado porque do alto foi empurrado para baixo. Geralmente, as mulheres sofrem mais que os homens. Lembremos, no entanto, que a depressão de uma pessoa pode parecer totalmente diferente da de outra. Por isso, as reações variam: um pensa em morrer, outro quer viver, outro acha que todos o estão traindo.

As diferenças acontecem porque as pessoas são diferentes: uma pessoa histérica vai ficar mais histérica ou hostil, um obsessivo mais obcecado, um desconfiado ficará com a confiança incrementada. A oração do salmista é a que se encontra no Salmo 77.1-10

OS SINTOMAS

Convém reconhecê-los porque quase todos nós temos um amigo ou parente que apresenta esses sintomas:

* Insônia ou comportamento irregular do sono, resultando que a pessoa afetada acorda cansada;
* Apatia, pouca concentração, não lembrando, sequer, o que leu;
* Perda de apetite a comida parece sem sabor;
* Cansaço crônico;
* Indecisão, tornando-se impraticável decidir até sobre pequenas coisas;
* O amor e a afeição diminuem, pois o deprimido considera os amigos mais chegados como antipáticos; há um desejo de se afastar dos outros;
* Diminuição ou perda total de interesse nas pessoas, coisas, idéias, igreja, coisas espirituais;
* Irritabilidade, agressividade, comportamento explosivo, dando como conseqüência que o deprimido não pode controlar a sua irritabilidade sobre coisas pequenas do dia a dia;
* Remorso pelo passado, por coisas que não deveria fazer, mas fez;
* Choro involuntário;
* Desespero; aliás, ensina um estudioso do assunto que são três os estágios da depressão: Ameno, quando se dá o desalento; Sério, ao vir o abatimento; Grave, quando cai o desespero. Dizem ser "difícil continuar vivendo", expressão muito ouvida, por sinal;
* Auto-depreciação, com expressões do tipo "Tudo o que eu faço sai errado";
* Baixa auto-estima, ou seja, a sensação de não ser amado ou que ninguém se interessa por nós.

A depressão é coisa séria, sendo que outros sintomas são: perda de energia, pessimismo, hipocondria, autocrítica; sentimentos de culpa, de vergonha, de desamparo; sentimento de que não é digno; perda de interessa no trabalho e/ou na vida sexual, tensão, tendência a acidentes, trabalho compulsivo ("ergolatria").

CAUSAS DA DEPRESSÃO

A situação existencial está entre as principais causas deste mal. É como se vive no trabalho, no lar, na escola. O emprego que não oferece recompensa, mas não pode ser deixado porque não há outro em vista; muita tensão de horários e prazos; tensão doméstica, econômica, déficit de sono, pouco exercício físico, problemas pessoais, problemas de criação, problemas na infância, problemas de relacionamento, distância de Deus, a meia-idade (difícil para o homem, ainda mais difícil para a mulher), desapontamentos, enfermidade, depressão após o parto, rejeição, alimentação inadequada, efeito de entorpecentes, perda de emprego, perda de posição, perda de pessoas queridas por morte, divórcio, abandono etc., etc.

Outras depressões não têm sentido aparente, porém, na verdade, são provocadas por um desequilíbrio interno, como desordens glandulares ou hipoglicemia.

A verdade é que a depressão é uma condição da qual Satanás se aproveita para tornar o povo de Deus inútil para a Obra do Mestre, e o Inimigo usa o estado de pressão para levar a sentimentos de culpa, e mesmo o conhecimento da graça e da misericórdia do Pai não parece ter poder para ajudá-los. Assim vem a autocondenação. Entende o cristão deprimido que Deus dá perdão, mas não o experimentou ou acha que não foi salvo ou que perdeu a salvação (coisa que a Bíblia não ensina), ou ainda que cometeu o pecado imperdoável (sem saber defini-lo). Satã ataca o cristão com o cansaço que deprime, e, assim, vem o sentimento de fraqueza, ansiedade e medo. Medo da morte, medo do amanhã, mede de gente, medo de coisas específicas, e medos maldefinidos também.

A BÍBLIA E A DEPRESSÃO

A Bíblia não discute a depressão, mas há narrativas e exclamações que deixam transparecê-la. É o caso do Salmo 69, do 88 e do 102. A Palavra de Deus se caracteriza pelo realismo, razão porque não esconde o sofrimento da depressão. Jó (capítulo 3), Moisés (Números 11.10-15), todo o Povo de Israel (Êxodo 6.9), Elias (1Reis 19), Jonas (4.1-3), Jeremias (as Lamentações), Pedro (Mateus 26.75), Jesus no Getsêmani (Mateus 26.37,38). O Novo Testamento Vivo verte a experiência de Jesus do seguinte modo: "... (Jesus) levou Pedro e os dois filhos de Zebedeu, Tiago e João com Ele, e começou a sentir-se cheio de angústia e tristeza. Então disse-lhes: 'Minha alma está cheia de pavor e tristeza, a ponto de morrer... fiquem aqui... fiquem acordados comigo'".

No entanto, em todos os casos acima o que levaria ao desespero cede lugar à esperança, e repousa na fé inabalável em Deus, e na certeza da vida abundante. É tão somente recorrermos às expressões do Salmo 34.15-17 ou Mateus 5.11,12, João 14.1; Romanos 8.28, e a palavra de Paulo, apóstolo, em Romanos 15.13: "Ora, o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz na vossa crença, para que abundeis na esperança pelo poder do Espírito Santo".

UM PASSO ALÉM DA DEPRESSÃO

Deus não quer que soframos e nos dá ajuda a quem se acha deprimido. A primeira coisa que o crente tem de compreender (podemos chamá-la de primeira etapa ou primeiro passo) é que necessita de Deus porque não pode ajudar-se a si próprio. Um bom lembrete são as palavras do Salmo 23: "O Senhor é o meu pastor... guia-me... tu estás comigo". O de que necessitamos é dependência de Deus. Ele prometeu Sua presença viva e constante conosco:

"Quando passares pelas águas, estarei contigo, e quando passares pelos rios, eles não te submergirão. Quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti"(Is 43.2).

Jesus ensina que veio para que tenhamos uma vida plena, diferente, melhorada, especial, rica de bênçãos, ou, para usar suas próprias palavras, "vida abundante". Por essa razão, não podemos entender como pode um crente em Jesus Cristo recusar a maravilha dessa vida especial e diferente que Cristo oferece para viver na pequenez e limitação de uma vida cheia de depressão?!

O segundo passo é o seguinte: se vier a depressão física, será preciso um tratamento médico. Se a causa for outra, busque um terapeuta, um psiquiatra cristão, um psicanalista, ou um pastor treinado em aconselhamento. No entanto, como cristãos temos algo a nosso favor: é um conhecimento de nós mesmos, e de Deus e de Sua graça.

A terceira coisa é que a depressão deve ser combatida com armas espirituais. Em depressão, não fique só:

* Busque companhia, um amigo, um confidente com quem dividir a carga;
* Trabalhe: a atividade física há de aliviar a tensão;
* Transforme a tristeza em algo criativo; empregue seu tempo;
* Aja com fé; a fé crê que Deus está presente mesmo nas trevas.

O quarto passo: não fique remoendo injustiças ou fracassos. Peça a Deus que o ajude a esquecer o passado, a perdoar os que pecaram contra você e a se perdoar.

Uma quinta etapa é usar a arma do louvor, pois é uma terapia espiritual. Aliás, a sabedoria popular até ensina que "Quem canta seus males espanta". Quando louvamos, adoramos; quando louvamos, oramos; quando louvamos, agradecemos; quando louvamos, pedimos. Louvamos a Deus pelo que Ele é e pelo que fez em Jesus Cristo.

Um exemplo de depressão vencida é a história do profeta Elias. Por três anos, batalhou vitoriosamente contra os quatrocentos e cinqüenta profetas do deus Baal. Recebeu uma ameaça de morte da rainha Jezabel (1Rs 19.2), entrou em depressão (v.4), esqueceu-se do poder de Deus e fugiu cento e cinqüenta quilômetros no deserto.

Na sua história, há quatro fatores para vencer a depressão:

* Descanso (vv.5-8). Elias descansou, alimentou-se e viajou mais quarenta dias;
* Desabafo (vv. 9,10). Deus lhe disse, "Elias, conte-me o que aconteceu com você", e ele desabafou. Faça o mesmo: conte a Deus, conte a um bom amigo que lhe seja instrumento de Deus;

Elias tece uma nova consciência de Deus (vv. 11,12). Na entrada da caverna estava Elias: o vento forte quebrou as pedras, o terremoto deslocou os montes e o fogo foi devastador. São todos demonstrações poderosíssimas da grandeza, majestade e força do Criador, "mas o Senhor não estava lá" veio uma brisa tranqüila, suave e calma... e Deus ali estava. Elias, portanto, não estava só!

Se assim é, volte à atividade! Volte à vida! (vv. 13-16). Deus diz a Elias duas coisas:

(1) você foi chamado para ser profeta, por isso irá ungir três homens, um dos quais irá sucedê-lo, e

(2) Deus lhe assegura que sete mil fiéis estão do seu lado. Você, meu irmão em Jesus Cristo, está na mesma condição: foi chamado para as riquezas da graça de Cristo, recebeu a unção do Espírito Santo, tem ao seu lado a unidade dos fiéis, da igreja que o ama e ora por você.


Fonte: www.presbiterianismo.com.br. Atualmente esse site não mais se encontra no ar.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

SABEDORIA

"Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos
que vos perseguem" (Mateus 5:44).

Conta-se que para se conseguir um favor de Samuel Johnson, o
grande escritor inglês, era bastante ofendê-lo ou causar-lhe
algum dano. Era sua característica perdoar os inimigos e
orar por eles. Emerson, disse de Lincoln: "Seu coração era
tão grande quanto o mundo, mas não havia lugar nele para
guardar a lembrança de uma injustiça". Spurgeon aconselhou:
"Cultive tolerância até que seu coração produza uma boa
colheita dela. Ore por uma memória bem curta sobre toda
afronta recebida". É desta maneira que uma pessoa sábia age.


Quando reagimos a uma injúria retribuindo da mesma maneira,
tornamo-nos semelhantes àqueles que nos feriram. E será que
a vontade de nosso Deus é que sejamos iguais aos que não
andam segundo a Sua Palavra?


A grande diferença entre o filho de Deus e os que o
rejeitam, é a forma de lidar com os que lhe fazem mal. Ele é
capaz de demonstrar amor quando a ocasião sugere uma
vingança, de persistir na verdade quando a mentira se mostra
mais vantajosa, de estender as mãos para os que lhe viram as
costas. Sua vida brilha enquanto os que lhe maltratam se
escondem nas sombras.


Uma das coisas mais difíceis na vida de uma pessoa é perdoar
os inimigos. E isso não é diferente na vida de um cristão.
Normalmente a dor custa a passar, a ferida é de difícil
cicatrização, a mágoa e o ressentimento recusam-se a sair.
Mas é nessa hora que precisamos colocar nossas vidas no
altar do Senhor, pedir-lhe forças e determinação em perdoar.
Queremos glorificar o Seu nome e esta é a única forma de
consegui-lo. Não somos deste mundo e, portanto, não podemos
seguir seu exemplo.


Aqueles que se deixam dirigir por Deus são sábios. Os que
não andam de conformidade com o mundo são sábios. Sejamos
todos sábios em todo o nosso procedimento.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

ESPERANÇA



“... Quero trazer à memória o que me pode dar esperança...”Lamentações 3:21

Quantas são as lembranças que cada um de nós carregamos ao longo de nossas vidas. Algumas delas são boas e nos trazem grande alegria, porém outras são ruins e na maioria das vezes não queremos relembra-las.

De uma certa forma somos moldados e formados pelas nossas lembranças e isto reflete na maioria das vezes no nosso dia-a-dia.

O livro de Lamentações foi um livro escrito num contexto de morte e destruição. Aqui o pano de fundo é a destruição de Jerusalém em 586 a.C. por Nabucodonosor, rei babilônico o qual levou muitos judeus cativos para a Babilônia. É nesta situação de destruição e escravidão que o autor de Lamentações diz que “quer trazer à memória o que pode dar esperança” ou o que ele esperará.

Passados mais de 2.500 anos de quando esse texto foi escrito, temos sempre que trazer à memória que em Cristo Jesus, nossa esperança não é vã e não tem fim! Que nEle podemos confiar! Apesar das circunstâncias e dos problemas Ele sempre está e estará conosco como Ele mesmo disse “eis que estou convosco todos os dias até a consumação dos séculos...” (Mateus 28:20).

Como igreja, somos chamados a anunciar a esperança de vida que há em Cristo para todos aqueles que já perderam a memória de quem são (como pessoas e seres humanos) e da esperança que os motiva a viver.

Como corpo de Cristo, Embaixadores de Deus, temos a missão de irmos e anunciarmos as Boas-Novas de que no Filho de Deus há vida! E não apenas anunciarmos, mas vivermos e praticarmos os valores do Reino de Deus, num mundo onde a falta de memória é presente, onde a vida de Cristo se faz urgente em meio a uma sociedade destruída.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

MEU FILHO



Puro amor de minha alma
Estrela linda e brilhante
De rostinho fascinante
Razão desse meu viver
Orgulho, carinho...bem querer.

Es toda a felicidade
Na minha vida meu filho
Razão de todo amor
Iluminando meus dias
Que Deus te abençoe pra sempre
Um anjo em forma de gente
Eu te amarei para sempre.



Suave riso inocente
Infinita admiração
Luz divina e reluzente
Voce meu filho querido
Amor... pulsar do meu coração

Para meu filho Heliaquim, pela passagem de seus 19 anos (31/07)

A Distância Do Joelho




"Fizeste-me conhecer os caminhos da vida; encher-me-ás de
alegria na tua presença" (Atos 2:28).


Jim Elliot disse: "Deus está, até agora, em seu trono e o
homem está, até agora, em sua banqueta. Entre os dois existe
apenas a distância do joelho." (Charles R. Swindoll)


Aonde temos ido para buscar as bênçãos almejadas? Que
caminhos temos percorrido na busca por nossos sonhos? Onde
temos esperado encontrar Deus?


Muitas vezes trilhamos o caminho da ambição, crendo que a
nossa vitória está ali. Outras vezes nos associamos à
desonestidade achando que é o melhor atalho para as grandes
conquistas. Até mesmo enveredamos por charcos de lama
julgando que "vale tudo" quando o propósito é chegar ao
lugar almejado.


Como nos enganamos quando assim procedemos! Nada disso nos
garante a vitória. Pelo menos, não a vitória que dá prazer,
que alegra o coração, que nos leva à felicidade.


Bem-aventurados somos quando confiamos a nossa vida ao
Senhor e fazemos de nosso relacionamento com Ele a base de
todas as nossas aspirações. Se o nosso desejo é aprender a
amar, ninguém melhor do que o nosso Deus para nos ensinar.
Ele é amor! Se o nosso desejo é viver abundantemente neste
mundo, sem nos contaminar com as práticas mundanas, quem
melhor poderíamos buscar para nos dar essa bênção? Ele é a
Vida. Se a nossa alma anseia pelos portos das grandes
vitórias, que melhor direção deveríamos seguir? Ele é o
Caminho.


E onde está o nosso Deus para que nos aproximemos dEle? Bem
próximo, junto a nós, de braços abertos para nos receber.
Basta dobrarmos os nossos joelhos. Estaremos com Ele,
falando com Ele, ouvindo a Sua voz, sentindo o Seu amor.
Apenas um simples dobrar de joelhos, e as bênçãos celestiais
serão derramadas sobre a nossa cabeça.


Deus é muito bom! E nós somos Seus filhos! Que alegria maior
poderíamos ter?

sábado, 1 de agosto de 2009

Abrindo A Porta Do Coração




"Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz,
e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e
ele comigo" (Apocalipse 3:20).

Um coração cheio de amor é um coração feliz. É amável para
com todos; é um coração que tem prazer em compartilhar; é um
coração que sabe perdoar. Você tem um coração cheio de amor?

O mundo atual parece um caos. Andamos pelas ruas e vemos
pessoas indo e vindo. A maior parte delas está com pressa,
tem muita coisa a fazer, muitos interesses a realizar.
Poucos se falam, poucos se cumprimentam. Não há tempo a
perder -- e tempo é dinheiro.

O que está errado? Há algo errado? Parece que alguma coisa
está faltando nos corações... falta amor. E por que falta
amor? Porque falta Deus. Deus é amor e só haverá amor nos
corações quando os esvaziarmos de nossos interesses e,
abrindo suas portas, deixarmos o Senhor entrar.

O que tem ocupado o lugar do amor em nossos corações? Mágoas
do passado? Ressentimentos contra parentes e amigos? Egoísmo
exagerado? Complexos de superioridade... ou inferioridade?
Isso nos dá prazer? Com certeza a resposta é "não".

Que tal fazermos imediatamente uma faxina? Vamos varrer tudo
e receber um novo convidado -- o amor. Com ele presente, o
nosso coração estará sempre aberto para o perdão, para o
reconhecimento do valor dos amigos, para o desejo de ajudar,
para a alegria e a felicidade.

Com o amor presente e Deus dirigindo cada momento de nossas
vidas, nossos dias serão mais animados, haverá mais sonhos a
realizar e mais bênçãos a receber.

Abra o seu coração para Deus... para o amor... para uma vida
verdadeiramente abundante.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

INVERSÃO DE VALORES


"Todo mundo 'pensando' em deixar um planeta melhor para nossos filhos...

Quando é que 'pensarão' em deixar filhos melhores para o nosso planeta?"

PENSE NISSO